quarta-feira, 22 de setembro de 2010

A noite de Gloria

Na grande festa onde foram premiadas as melhores produções do cinema nacional, realizada na segunda-feira (13), no Espaço Tom Jobim, no Rio de Janeiro, Gloria Pires foi eleita pelo público e pelo júri a Melhor Atriz pelo papel no filme É Proibido Fumar. Confira todas as emoções da noite!

O que seria do cinema sem as mulheres, sem a graça de seu andar, os perigos de suas curvas, o glamour de seus vestidos e o talento de seus trabalhos, tanto na frente quanto por trás das câmeras? O que seriam dos filmes sem a volúpia de Sophia Loren, o sotaque de Brigitte Bardot ou a força de Katharine Hepburn? Se Hollywood demorou tanto para reconhecer diretoras como Sofia Coppola e Kathryn Bigelow, o Brasil deve a uma mulher a retomada do cinema feito no país: Carla Camurati, 49 anos, diretora de Carlota Joaquina, que há 15 anos mostrou que produções em português podiam ter qualidade técnica e ser abraçadas pelo público. As Mulheres no Cinema foi o tema do 5o Prêmio Contigo! de Cinema Nacional, cujo sabor feminino também serviu para coroar Carla com o troféu MGM My Favorite, uma parceria com o canal MGM, e, com o perdão do trocadilho, glorificar uma estrela que só fica melhor com o passar do tempo: Gloria Pires, 47, escolhida a Melhor Atriz da noite – júri e popular – pelo papel em É Proibido Fumar. “Estou superfeliz. Sempre é bom receber um prêmio, ainda mais quando trabalhamos com gente tão querida”, discursou uma emocionada Gloria. “Estou muito feliz! Obrigado ao júri, ao público e à CONTIGO!” É verdade que nomes do quilate de Nelson Xavier, 69, Dan Stulbach, 40, e Tony Ramos, 62, tentaram equilibrar o jogo para os homens. Mas Dira Paes, 41, mestre de cerimônias, outra musa do cinema brasileiro, não deixou o time dos saltos altos, batons e maquiagem perder o jogo. “As mulheres estão dirigindo cada vez mais e melhor! Elas são abusadas e pilotam seus filmes com técnica e talento”, abriu Dira a festa sob muitas gargalhadas. Um tom que durou a noite toda.

Choro da estrela

Gloria Pires já tinha recebido o prêmio de Melhor Atriz pelo júri oficial. Mas deixou rolar a emoção mesmo quando recebeu a estatueta pelo voto popular pelo mesmo papel, no longa É Proibido Fumar. Antes de entregar o troféu à atriz, o ator Milton Gonçalves, 76, fez um discurso que a fez chorar: “Antonio Carlos (Pires, pai da atriz, morto em 2005), onde estiver, deve estar muito feliz. A voz do povo é a voz de Deus”, disse ele. Gloria não segurou as lágrimas e agradeceu com a voz embargada. “Quero agradecer a meu pai, a minha mãe e a meus filhos, sempre tão saudosos de mim, mas que sempre entenderam essa minha profissão. Também a meu marido (Orlando Morais, que não estava presente, pois viajou para França), que é a pessoa mais importante da minha vida.”

Gloria Pires: “Orlando foi para Paris, vamos ter que controlar a saudade”

“Não reclamo de nada, minha vida está maravilhosa”, comemorou Glória Pires pouco antes da cerimônia do 5º Prêmio Contigo de Cinema.
“Agora vai começar a loucura de novo: viagem, decorar, pesquisa, mas é muito gostoso”, comentou sobre a volta ás novelas, em Insensato Coração, que estreia em janeiro de 2011.
Por causa da novela, Glória ficará no Brasil, enquanto o marido Orlando Moraes ficará entre Rio e Paris. No momento, ele está na França. “Ele só volta em outubro. Agora é ficar no Skype e fazer esse esforço a dois para matar as saudades!”.
Indicada ao prêmio de melhor atriz, ela contém a expectativa: “É um prêmio muito legal, e receber a indicação já foi maravilhoso”.
Sobre as notícias que saíram na imprensa, sobre uma possível carreira de cantora de Cléo Pires, ela afirmou não saber de nada. Porém… “A Cléo canta, compõe e já fez participação no CD do Orlando. Não seria uma surpresa, mas não falamos sobre isso”.

Fonte de pesquisa:
Contigo (Link original, aqui)

Nenhum comentário: